Acerte na embalagem do seu produto!

A embalagem é, muitas vezes, o primeiro contato que o consumidor terá com seus produtos. Passar a mensagem certa pode determinar se a venda vai ser feita ou não. O design das embalagens foi uma das questões levantadas pela Pets Du Monde, indústria de alimentos para animais de estimação participante do Extreme Makeover 2015, durante o trabalho de consultoria com a FNQ.

A grande diferença entre os produtos da Pets Du Monde e quase toda a sua concorrência é o fato de seus alimentos serem produzidos a partir de ingredientes “in natura” e sem aditivos. Por isso, são mais caros.

Mas mudar a embalagem pode deixar mais clara a relação entre qualidade e preço? “Pode, se cumprir alguns requisitos básicos”, responde o empresário Sérgio Guardado, sócio e diretor da Sutil Design. Confira quatro dicas para sua embalagem passar a mensagem certa.

1. Mostre o verdadeiro valor
No caso da Pets Du Monde, o equívoco a evitar é o de sinalizar luxo. Um produto que inova pela qualidade e pelos critérios de produção deve sinalizar exatamente esses fatores. Os produtos não são caros porque trazem qualquer característica que componha “luxo”, mas sim porque são extremamente rigorosos na origem de seus ingredientes e nos cuidados de produção.

Isso se mostra da forma mais óbvia: “É o tipo de produto que precisa mostrar sua verdade, nada além do que apenas é”, diz Guardado. Assim, materiais design em que predomine o branco e materiais naturais e recicláveis são mais indicados — é o caminho oposto ao dos dourados, laminados ou grafismos rococós.

2. O produto em primeiro lugar
Para Guardado, é fundamental que a embalagem exerça a chamada “função atribuição”, isto é, identifique o que o produto de fato é, e não apenas sua categoria. A embalagem deve contar, a um primeiro olhar, o que o produto pode ter a mais, traduzindo uma atitude. Um exemplo no mercado pet é o dos produtos da marca Variety Pet Food, que lembram produtos para uso humano.

3. Seja original
É importante que uma marca cujo produto seja inédito ou raro sinalize essa diferenciação em seu design, rompendo com os códigos já existentes. Pesquise com profundidade o que o mercado pratica – dentro e fora do Brasil – para buscar um caminho de originalidade. Afinal, se o produto é significativamente diferente, a embalagem deverá sinalizar isso.

4. Pense no meio ambiente
Um produto que antecipa uma tendência deve sinalizar isso em sua embalagem. A Pets Du Monde, por exemplo, faz comida para animais de forma natural, pensando no bem estar do bichinho. Isso deve transparecer. A preocupação para uma produção mais sustentável é cada vez maior no mundo.

Por isso, dar à embalagem novas funções é importante. Um exemplo é a “Clever Little Bag”, embalagem projetada pelo designer Yves Béhar para a marca de tênis Puma, que pode ser reutilizada como uma bolsa, sem gerar lixo.

Deixe uma resposta